Monday, January 30, 2006

Fatos Engraçados

Fatos Engraçados


Eu sou o tipo de pessoa que não leva desaforo pra casa, sou vingativa e muito cabeça-dura quando alguém me tira do sério. Quando era menor uma amiga minha tinha sido assaltada e me contado que ela ficou com medo, com os joelhos tremendo e chorou que nem uma louca na frente do ladrão, ou seja ele fez o que queria com ela.

Quando ela me contou isso é claro que me imaginei na mesma situação que ela e por ser metida a heroína, eu me via socando o cara até ele sair correndo de medo. Claro que isso faz tempo e ninguém nunca tinha tentado me assaltar, isto é, até a última quinta-feira.

Há um tempo eu imaginava que faria exatamente como minha amiga e o fulano levaria tudo que era meu, mesmo porque resistir pode ser fatal e eu não imaginava que teria coragem de enfrentar o sujeito. Eu só me dei conta do que tinha feito um certo tempo depois.

Foi assim: eu tinha que ir até a FAAP entregar a rematrícula e quando estava voltando, no finalzinho da Av. Pacaembu, tive que parar por causa do farol (já levei uma multa e não quero levar outra) e aparece um garoto na janela que deveria ter no máximo uns 14 nos, ele me mostrou um canivete e falou "passa o dinheiro" e eu, quando vi a idade da criatura fiz a maior cara de cética do mundo, pensei "esse pirralho tá tentando me assaltar? Eu quebro esses bracinhos e como com farinha." ele repetiu e eu disse

"Quê?!"

"Passa o dinheiro!"

"Hun?"

"Passa o rádio, então."

"Fala mais alto!"

"O dinheiro!"

"Eu não tô entendendo!"

"Di-nhe-i-ro!"

"Fala alto, eu sou surda!" e ele se frustrou tanto que soltou um "Argh, droga!" e foi tentar assaltar o carro da frente.

O mais engraçado na situação (além da frustração dele, claro) foi que eu reagi tão espontaneamente que nem deu tempo de sentir medo, juro, não senti UM calafrio. Assim que ele saiu da janela eu comecei a rir e só fui parar quando já estava na Marginal Tietê. Uma senhora do carro do lado ouviu tudo e começou a rir também.

Claro que depois fiquei pensando o quanto foi perigoso o que eu fiz, ficar tirando sarro de ladrão (por mais que ele fosse um moleque) daquele jeito, mas como eu disse antes, foi tão espontâneo que não me dei conta do que fiz por um bom tempo. Fiquei pensando: eu não sei como serão as minhas reações em situações limite, mas pelo exemplo dessa... eu acho que reagiria sim, completamente sem pensar.

É perigoso quando não se sente medo.




Mudando de assunto, semana passada eu estava tentando escrever alguma coisa, qualquer coisa e acabei fazendo o esboço de uma poesia em inglês, até que ficou bonitinha, mas ainda tenho que trabalhar melhor as rimas. Bom, tá aqui o que eu tenho até agora:



Analphabetism

To read poetry
first you'll need
a soul-filling and
heart-felt meaning

To write poetry
you'll need rhymes
a good dictionary and
inventive imaginary

I can't read or write
I can't understand poetry
The rhymes remain foreign
To a heart that lies unfeeling.





Pretendo ir ver os Dinos na Oca. Alguém quer ir?

2 comments:

Ednilson said...

*rolando até umas horas de tanto rir* Hahahahahahahahahahaha, pra quem gosta tanto de ser do contra e depressiva, vc seguiu a minha idéia de 'rir das desgraças' brilhantemente, Miki-chan! Passou com louvor na matéria! :'D

Situações de tensão são engraçadas, principalmente qdo vc começa a analisar ela no 'pós'. E, hm, se 'vc' achou o ladrão minúsculo, vc devia tá sendo assaltada por um bonequinho playmobil... Eu bem q disse pros caras de 'Bang Bang' q cortar a abertura e deixar os bonequinhos desempregados ia ter consequência...

Gostei do seu poema, particularmente da última estrofe ^^ Combina perfeitamente com a primeira, e eu tava pensando em como vc tinha feito pra cumprir com as próprias condições. Way to go, little sis!!

Kisses and hugs

Otouto

Marcela said...

SIM SIM EU EUUUUU!!!!!!

Mas tem q ser de fds....
Adoro dinossauros, eu ate tinha uma coleção que vinha toda semana uma revista falando sobre a especie e um osso, no final vc tinha um dinossauro que brilhava no escuro e uma enciclopedia sobre a pré-historia....
Ai, as vezes eu me sinto taum nerd.

Bjo
Mar