Thursday, March 24, 2011

Tenho Algo a Dizer

 

Só preciso descobrir o que é. Eu estava numa sessão de terapia ontem quando percebi o quanto busco técnicas pra me comunicar. Sei falar em inglês, italiano, francês. Sei técnicas de redação para escrever qualquer matéria de jornalismo. Sei fazer roteiro, sei fazer filmes! Estou aprendendo a me comunicar com formas na arquitetura. Acho que meu discurso é coerente e consigo defender as idéias de um projeto. Sei desenhar, fazer história em quadrinho, sei fazer arte final... e ainda queria aprender aquarela, pintura a óleo, cello, violino, alemão...

 

A questão é que nada disso me satisfaz. Eu estou colecionando maneiras de dizer, sendo que não tenho um tema, não tenho um conteúdo o qual eu possa passar com essas inúmeras técnicas. E sim, eu fico presa as regras. Se eu aprendi que tenho que projetar algo que seja coerente com o bairro eu não vou arriscar sair daquela delimitação. Por que eu tenho que aprender a técnica da aquarela e não saio simplesmente arriscando e borrando tudo? Só de pensar em treinar sem um direcionamento já me aflige.

 

É normal alguém está me desafiando e eu dizer "Claro que seu fazer, me dê um assunto que faço." Por que o assunto não parte de mim? Tem alguma coisa pulsando aqui, tem alguma coisa borbulhando pra ser expressada, tem alguma coisa arriscando todas as técnicas ao alcance pra ser ouvida.

 

Mas que diabos é isso? Eu gostaria de encontrar meu próprio estilo. De criar minha própria técnica. Acho que preciso me soltar um pouco mais. Preciso me permitir a liberdade de criar meu jeito de comunicação.

 

Acabei lembrando daquele caso do pianista David Tudor que sentou para tocar a música com o nome 4'33″ e  exatamente 4'33″ levantou-se, agradeceu a audiência e foi embora, sem tocar uma única nota.  O compositor é John Cage e é claro que essa  performance de silencio foi um jeito de dizer algo, mas não estou me comparando ao músico, mas sim a plateia. Estou ansiosa pra ouvir o que pode sair desse piano e não tenho nada além do silêncio.

 

Posso estar esperando demais, como sempre. Só gostaria de saber o que eu preciso falar com tanta urgência que não toma forma nenhuma.  Eu não queria passar anos e anos buscando um estilo pra depois descobrir que não tenho o que fazer com ele.

Thursday, March 17, 2011

Animals and Cardboard Box

Something Of That Ilk

Animação!

Ballad of Nessie
 
 
 
 
 
Por animatoons:

Ambientado nos "formosos planaltos azuis" da Escócia, THE BALLAD OF NESSIE é uma extravagante e colorida história sobre o simpático monstro do Lago Ness, Nessie, e como ela e seu melhor amigo MacQuack, o pato de borracha, chegaram a viver no pântano que agora chamam de lar. Quem dá movimento à aventura é um ganancioso  desenvolvedor de terras chamado MacFroogle, que decide construir um império de mini-golfe em cima da casa de Nessie.

A Disney divulgou algumas imagens em alta resolução do filme, que já foi exibido no Anima, festival de animação de Bruxelas, e pelo que dizem é uma história encantadora à maneira dos desenhos clássicos da Disney.

Dirigido por Stevie Wermers-Skelton e Kevin Deters (PREP AND LANDING, COMO INSTALAR O SEU HOME THEATER), THE BALLAD OF NESSIE tem trilha sonora composta pelo vencedor do Oscar® Michael Giacchino (UP – ALTAS AVENTURAS). A animação, tradicional, tem a supervisão de cinco dos principais talentos da Disney: Andreas Deja, Mark Henn, Randy Haycock, Dale Baer e Ruben A. Aquino.

THE BALLAD OF NESSIE estreia nos cinemas americanos junto com o longa WINNIE THE POOH, em 15 de julho.

RIO Censurado!

 

 

Será que, por estarem escrevendo um filme ambientado na terra do carnaval, os roteiristas de RIO não resistiram a algumas piadinhas mais apimentadas? A MPAA (Associação Cinematográfica da América) assistiu ao filme e disse que ele tem um "humor levemente vulgar." Isso fez com que ele recebesse a classificação "PG", ou seja, as crianças deveriam assisti-lo somente na companhia de um adulto.

É claro que a Fox não gostou disso. De acordo com o Box Office Mojo, agora a distribuidora submeteu à MPAA uma versão editada do filme – e assim conseguiu uma classificação "G" (livre).

 

 

Numerology Report

 

Just got a new game. Somebody sent me a numerology report with a lot of cool things! Sometimes it's good to hear you are incredible, isn't it?

 

 

Born: Vivian Corral Da Silva on 6/6/1985

 

Personality Puzzle

 

Your Life Path number is 17/8 -- Your Life Path number gives you a broad outline of the opportunities, challenges, and lessons you will encounter in this lifetime. It is the road you are traveling.

The Life Path 8 suggests that you entered this plane armed to lead, direct, organize and govern. If you are a positive 8 you are endowed with tremendous potential for conceiving far-reaching schemes and ideas. In short, you were born to be an executive.

 

Your ability to judge the character and potential of the people around you is an asset used to your advantage. There is an inspirational quality in your makeup which allows you to become a great leader. You are practical and steady in your pursuit of major objectives, and you have the courage of your convictions when it comes to taking the necessary chances to get ahead.

 

The Life Path 8 produces many powerful, confident and materially successful people.

You want to be recognized for your hard work and achievements. In relationships, you are frank, honest, and steadfast. You must find the time for love and keep it as an important project in your life.

   Emotional feelings are often suppressed by the negative 8, resulting in isolation and loneliness.

 

Your Expression number is 14/5 -- Your Expression, or Destiny, represents a lifelong target at which you are aiming -- your inner goal and the person you aim to be. You work at fulfilling this potential every day of your life.

 

            I'm very adaptable. You have multiple talents and you can easily adapt to anything. You can understand new ideas easily and use them wisely. Be careful not to start several projects and not finish them. You are energetic, adventurer, dynamic, quick, traveler.  Remember: don't be impulsive.

 

Your Heart's Desire number is 10/1 -- Your Heart's Desire is the inner you. It reveals the general intention behind many of your actions. Consequently, it dramatically influences the choices you make in life.

You want to be as independent as you can be. Ones are pioneers that lead and organize new ventures. This strong individualistic desire wants success in a large progressive way, leaving the details to others.

 

Your Personality number is 13/4 - Your Personality number indicates how others perceive you.

You radiate reliability and consistency. People trust you and feel secure with your judgment. You are seen as a cornerstone of a business and are relied upon to do your work efficiently and expertly.

You present yourself as someone who values correctness, control, and precision.

You want to be judged on the basis of your performance, rather than your appearance.

You love the intimacy, consistency, and the security a family provides. You are a good provider and protector. But family members may take your efforts for granted.

 

Your Maturity number is 4 -- Your Maturity number indicates an underlying wish or desire that gradually surfaces as you gain a greater awareness of who you are, what your true goals in life are, and what direction you want to set for your life.

Your maturity will find you increasingly practical, organized, and far more down to earth.

You are too involved in seeing your plans and efforts come to life.

Your family and friends will profit from your four maturity number because of your increasingly helpful and reliable nature.

You will benefit by your increased understanding of systems, organization, and the rewards of a methodical approach to life.

It will do you good to take your time to relax and enjoy the flowers every day.

 

Your Balance number is 7 -- Your Balance number provides you with the guidance on how best to deal with difficult or threatening situations.

Keywords: Courage, Determination, Power, Victory, Leadership, Knowledge

Helpful activities: Reading, Lectures, Strength training, Volunteering, Action

When your balance number is 7, you can benefit most by learning how to be more active, demanding, present, courageous, and determined.

Find methods to learn more about yourself and your mental, emotional, physical, and spiritual needs. Too often you may worry about the needs of friends/family while forgetting about your own.

 

Your Challenges numbers are 0, 1, 1, 1 -- Your Challenges numbers are interpreted as an educational process meant to bring out and enhance your talents, and turn your weaknesses into strengths.

Challenge is 0:

About your First Challenge:
The duration of the First Challenge usually lasts from birth until approximately the age of 30 to 35.

You are being challenged to stay faithful and focused on your highest ideals.
There is an opportunity to go deeper within yourself, and discover the inner being that is you.

 

Your Second Third and Forth Challenges are 1:

The duration of the Second Challenge usually lasts from age 30/35 to around age 55/60.

 

You must learn to be independent. You will be forced to stand up for yourself and your rights. You will be faced with situations in which you will have to choose between standing up for what you think is right versus giving in to another person's demands.

 

Your Pinnacles numbers are 3, 11, 5, 11 -- Your Pinnacles are 4 long-term cycles on your Life Path which reveal the general conditions and events you will experience. By knowing your approaching Pinnacle number you can better prepare yourself for the times ahead.

 

Your First Pinnacle Cycle is 3:

 

This is a highly creative period. Your self-expression is greatly enhanced. Your creative and artistic talents will peak. Your chances of success are also heightened. Hard work in any artistic field that one has a talent for can result in much reward.

This is a lucky period, as well. You can overcome problems with considerably less effort than in the past.

           

You need focus and discipline. Under the influence of this Pinnacle, hard work is the key and the challenge to making the most of your opportunities.

 

Your Second Pinnacle Cycle is 11:

 

This is a challenging period in which you are at a high point of sensitivity and intuition.

You are constantly being inspired and even assaulted by information and insight.

Because of the intensity of these revelations, you must learn to ground your life in faith and a practical vocation that keeps your feet on the ground everyday.

There is a desire to settle into some field or way of life to attain stability, but the energy of this Pinnacle is not allowing it. It is as if there is a destination, or destiny, to which you are being driven. You do not feel in control of this process. Instead, you are acutely aware of the forces that are shaping your life. You must surrender to them.

 

At the same time, you may feel like a foreigner to the earth. You feel awkward and clumsy at times

 

The challenge of the 11 Pinnacle is to remain grounded and attached to this dream. You must find practical and useful ways to be of service to others, at the same time developing yourself so that one day you may be able to bring forth that which is within you.

 

Your Third  Pinnacle Cycle is 5:

 

This is a period that will teach the realities of freedom and expansion. You will travel great distances, meet many new and interesting people, experience many adventures, and essentially come to know the world. You are in a period of accelerated experimentation and learning. Experience is your teacher.

Your ability with words is greatly increased. You can write and speak with ease. New opportunities for work, travel, and exotic experiences present themselves with regularity.

Your challenge is to prevent yourself from becoming a rolling stone. You need to ground yourself in a particular discipline, career, or relationship. You give your love and energy without the condition of holding on to a place, a person, or an occupation; and you expect the same in return - to be loved for what you are, rather than someone who belongs to another.

You must accept limitations as a necessary base for your freedom. Freedom cannot exist without limitations, otherwise you would be without identity, and without existence.

 

Your Personal Year number for 2011 is 7

 

You will experience a strong tendency to spend more time alone, to delve inside and find some answers and to reach a better understanding of yourself. This is not a year for social activities nor is it a year to try and reach goals on a material level. You will find that the necessities of daily life seem to be taken care of by themselves. There is no need to be overly concerned regarding your material needs. Without slacking on your daily duties and responsibilities, you can afford to give more attention to yourself. This is a year for inner growth. It is your spiritual and mental presence that requires attention. Improve the quality of your life, read, contemplate and gain insight in yourself. You are important now. Rest and attend to your health. It is during this year that you strengthen the foundation of your life, after all your success in all matters rests upon the strength of your inner self. There will be many strange and unusual events inspiring you to take a closer look at life and an opportunity is there to experience the joy and beauty of life without any artificial or exterior involvement but purely the growing awareness of yourself. To much concern and desire for material rewards will turn this period of your life into a very bad experience indeed, while a "let go and let god " attitude will make this such a fruitful and pleasant year that you may find yourself wondering what you did to deserve this.

 

Changes can come out of the blue in a seven year that often involve putting our own needs on hold and freely giving our time to someone else. Ultimately, this will benefit us in some way and often enables us to really grow as people. This is the number of inner wisdom and Spirituality and so you may find yourself growing spiritually this year. Seven is also the number of mind energy so if you have been wanting to study, then this is a great time to start.

 

 

 

Wednesday, March 16, 2011

Terremotos e tsunamis são temas onipresentes nos mangás japoneses

Le Monde
Damien Leloup
  • Cena do clássico de animação Akira (Japão, 1988, 124 min.), inspirado na obra de Katsuhiro Otomo

    Cena do clássico de animação "Akira" (Japão, 1988, 124 min.), inspirado na obra de Katsuhiro Otomo

Hokuto no Ken, Akira, Neon Genesis Evangelion. O apocalipse, qualquer que seja sua forma, é um tema importante do mangá, as histórias em quadrinhos japonesas sempre muito populares e de incrível dinamismo. O espectro do tsunami e do terremoto aparece em inúmeras séries, onde pode servir de motor da intriga, de pano de fundo para uma história água-com-açúcar, de campo de ação ou de ponto de partida distante que justifica a existência de um mundo pós-apocalíptico.

É o reflexo do cenário do mangá, que, de acordo com seu público-leitor, é dividido em "seinen" (para adultos, com temática "séria"), "shojo" (para meninas), "shonen" (para meninos) e muitas outras subcategorias.

Em "Tokyo Mew Mew" (2000), um mangá leve para jovens garotas, o personagem principal se vê dotado de poderes mágicos e de uma aparência felina após um terremoto; do outro lado do espectro, "Tokyo magnitude 8" (2009) pinta com realismo cuidado as consequências de um sismo gigantesco que devasta o arquipélago. Esta última série descreve um caminho iniciático bastante clássico, o de dois sobreviventes nas ruínas de uma ilha artificial atingida por um terremoto, mas também procura descrever a organização dos resgates com grande atenção aos detalhes.

Dentre essas várias obras, uma se destaca de forma particular: "Spirit of the Sun" (2003), de Kaiji Kawaguchi. O mangá começa com um terremoto gigantesco, tão forte que corta Honshu, a principal ilha do Japão, em duas partes, seguido por um tsunami que devasta o que resta do país. O exército chinês, fingindo levar ajuda humanitária, toma posse daquilo que logo vem a se tornar o "Norte-Japão", enquanto o exército americano se instala ao sul.

Publicações suspensas

Com ares de mangá pós-apocalíptico clássico, "Spirit of the Sun" também pincela, com certa sutileza, um retrato crítico do Japão dos anos 2000. Faz alusões mal-disfarçadas à severa política de imigração conduzida por Tóquio nas páginas que descrevem as condições de vida dos refugiados japoneses em Taiwan.

São temas correntes e transversais, mas nem por isso o terremoto e o tsunami são assuntos neutros. "X", um mangá fantástico inspirado na Bíblia e mais particularmente no Apocalipse, teve sua publicação suspensa por vários meses em 1995: por mostrar inúmeros terremotos, que deveriam anunciar a iminência do fim do mundo, o mangá afetou a sensibilidade de muitos leitores, uma vez que Kobe acabava de ser atingida por um terremoto que deixou quase 6.500 mortos.

Várias publicações deverão ser suspensas nos próximos dias no Japão: as reprises na televisão da adaptação para desenho animado de "Tokyo magnitude 8" já foram suspensas, e outros animês que incluem cenas de tsunamis foram tirados da programação ou estão sendo modificados.

Tradução: Lana Lim

Tuesday, March 15, 2011

Resoluções 3 Meses Depois

Resoluções – Três meses Depois

Quase 90 dias depois das minhas promessas de Ano Novo. Apesar de no dia a dia perder a perspectiva, é bom ficar atualizando isso aqui para manter as metas em foco.

 

Metas Profissionais:

- Terminei 3ds Max e estou com um computador novinho. Nesse fim de semana instalei o resto dos softwares que preciso e agora é só arrumar tempo pra treinar.

- Curso de Maquete Eletrônica ainda tem que se concretizar. Talvez eu deixe para o segundo semestre, a menos que consiga me duplicar.

- Minha pesquisa está parada. Li mais alguns textos, mas só. Fiquei chateada pra caramba com essa pesquisa. A faculdade cortou a bolsa e mesmo assim preciso terminar a pesquisa ou tenho que devolver o benefício que recebi o ano passado. Parabéns Universidade de Guarulhos. Cada vez mais inspirando os alunos que realmente gostam de pesquisar (isso foi sarcástico, caso não tenham entendido)

- A nova pesquisa está suspensa até eu descobrir como ficam as bolsas.

- Nessa semana começo o módulo B2 do Francês.

- Sossegada no emprego.

 

Hobby e Saúde

- Não registrei nada e não publiquei nada em blog algum. 

- Voltei pra academia!

- Ainda fazendo drenagem e modeladora (carái, como dói)

- Fui ao Ginecologista e só falta um exame pra fazer para levar os resultados de volta.

- Um livro para a faculdade 1/10

- Li Le Petit Prince 2/2

- Nenhum livro em italiano. 0/3

- Machu Picchu ainda em vista.

- Ainda não me levei pra beber.

 

Social

- Saí rapidinho com o Má! Acho que conta!

- Conversando com ninguém. Hunf. Mas acho que tô mais legalzinha na faculdade.

- Fui à Pinacoteca, Museu da Língua Portuguesa.

- Não fui ao templo, mas fui no Parque da Luz e na Estação da Luz. 2 tentativas frustradas de ir ao parque Burle Marx.

- Quanto a atividade de não fugir das pessoas.... vou dar uma volta ali e a gente continua a conversa depois!

Saudade do Cinema

Talvez seja um problema quando fico longo períodos sem postar um mínimo sobre minha vida. Como assim estou sem tempo para pensar em mim? Porque esse blog não deixa de ser um diário virtual onde coleciono coisas que me impressionam e coisas que eu preciso refletir a respeito.

 

Estou completando 8 meses de trabalho essa semana, mais um mês e bato o Record de emprego em um lugar só. A vida de assalariada, com direitos e benefícios, é bastante cômoda, tenho o dinheirinho garantido, posso até fazer uma viagem se quiser. Por outro lado essa história do acorda, trabalha, estuda, dorme está me cansando. Não pelo trabalho ser cansativo, ou chato, ou monótono. Pelo contrário, eu acho que tenho uma química com a carreira de arquitetura.

 

Mas arquitetura não é cinema. Não é animação. E toda vez que assisto a um filme eu penso nisso. Eu vibrei ao assistir L'Illusionniste e Como Treinar seu Dragão. Eu passo o fim de semana (e os poucos minutos que tenho entre trabalho e faculdade) consumindo os menores sketches possíveis. Eu caço informações, eu piro nos argumentos, eu sinto como se aquela animação fizesse de tudo aquilo que eu quero ser.

 

Aqui no nosso país tropical abençoado-sabe-se-lá-por-quem, a carreira do artista ganha a proporção de acordo com suas influências políticas. Num local onde as pessoas nem chegam a ser leigas quando se trata de arte, quando são míopes mesmo. Quando o jornal mais correto do mundo é o Jornal Nacional, quando a maior influência artística é a novela das oito, como pode alguém investir em novos talentos em animação.

 

O mercado está cheio de oportunidades, é verdade, o mercado publicitário, de quem já fui vítima, paga uma mixaria para você passar semanas como auxiliar de arte, ganhando míseros 100 reais. Não vou ser injusta, tem gente que paga bem, principalmente agora com a moda do 3D. Porém, quem dá oportunidade para alguém treinar o 3D? Você precisa investir em tempo para treinar, para dominar a ferramenta, pois se chegar soluçando em um teste para um emprego você será eliminado! Querem alguém com anos de experiência.

 

Enquanto você ganha experiência, quando fica sentadinho horas no computador ralando o coco para descobrir como arredondar os cantos de um Box no 3ds Max, você vive do que? De vento? Vive do salário da mamãe?

 

Tem algo muito estranho no mercado, eles querem a sua experiência, não querem pagar o que ela vale e ainda não dão oportunidade para quem está começando.

 

Gostaria que arquitetura me satisfizesse como a animação. É um mercado bem mais receptivo, recebo ofertas toda semana, as pessoas são educadas e são humildes o suficiente pra te ensinar o que você precisa saber. Pergunta pra algum cineasta como ele fez tal curta. Ele vai dizer que veio num sonho, que veio enquanto lia a biografia do Godard, que veio num momento de desapego do mundo material, enquanto na verdade veio enquanto ele estava sentado no sofá fumando maconha e virando um copo de tequila.

 

Okay... estou rancorosa hoje, mas sinceramente, que saudade do cinema.

 

Saturday, March 12, 2011

Seções infantis das livrarias têm verdadeiras obras de arte

Da Folha

Caça ao tesouro

Verdadeiras obras de arte que podem seduzir o leitor adulto estão escondidas nas seções infantis das grandes livrarias

THALES DE MENEZES
DE SÃO PAULO

Impactantes livros de arte estão literalmente escondidos nas grandes livrarias. Alguns dos lançamentos destinados ao público infantil podem ser apreciados também pelos adultos. Em alguns casos, até mais pelos adultos.

São obras que esbanjam técnica e criatividade nas ilustrações. Às vezes, carregam características gráficas ligadas à etnia de cada texto, exemplificadas em fábulas orientais, notadamente chinesas e indianas. São culturas que universalizam imagens para adultos e crianças.

Para encontrar esses objetos valiosos, chegar até a seção de infantis da loja não basta. Ali, o que salta fora das prateleiras e ganha visibilidade é um monte de vampirinhos, sereiazinhas e heróis tipo Capitão Cueca.

Garimpar livros encantadores para adultos entre tanta produção é trabalho para uma tarde de sábado ou domingo, com tempo para investir nessa caçada.

Há histórias tradicionais com versões inovadoras, como "O Leão e o Camundongo", fábula que dispensa texto com as imagens vivas e rebuscadas do americano Jerry Pinkney, 72, que já ganhou todos os prêmios possíveis para um ilustrador.

Verdadeiro deus entre os fãs de quadrinhos por ter criado "Sandman", Neil Gaiman e seu parceiro desenhista Dave McKean inventaram um livro delirante em que os personagens têm longas cabeleiras e a ação se passa num emaranhado delas.

Outros modernos da seleção é Suzy Lee, que brinca com as sombras das coisas para mostrar outro lado das histórias, e o húngaro Istvan Banyai, criador de vinhetas animadas para a MTV Europa e o canal a cabo Nickelodeon. Seu traço genial, que ganhou o público adulto nas revistas "The New Yorker" e "Rolling Stone", nem deveria ser oferecido a crianças pequenas.

Assim, a seção infantil da livraria vira programa até para quem não tem filhos.

Thursday, March 10, 2011

The Joy of Parenting: Are Parents Just Fooling Themselves?

via Neatorama by Alex on 3/9/11


Ask most parents and they'll gush about the joy of having kids or that having children is the best thing they've ever done. But if you look deeper, parents with minors who live at home are angrier and more depressed than non-parents … and the more kids they have, the angrier they get!

So why the disconnect? Are parents simply fooling themselves into thinking that they're happier with kids than if they were childless?

The answer is yes, according to psychologists Richard Eibach and Steven Mock.

The studies tested the hypothesis that "idealizing the emotional rewards of parenting helps parents to rationalize the financial costs of raising children."

Their hypothesis comes out of cognitive-dissonance theory, which suggests that people are highly motivated to justify, deny or rationalize to reduce the cognitive discomfort of holding conflicting ideas. Cognitive dissonance explains why our feelings can sometimes be paradoxically worse when something good happens or paradoxically better when something bad happens. For example, in one experiment conducted by a team led by psychologist Joel Cooper of Princeton, participants were asked to write heartless essays opposing funding for the disabled. When these participants were later told they were really compassionate — which should have made them feel better — they actually felt even worse because they had written the essays. (More on
 
Time.com: Five Things for the New Mom Who Has Everything)

Here's how cognitive-dissonance theory works when applied to parenting: having kids is an economic and emotional drain. It should make those who have kids feel worse. Instead, parents glorify their lives. They believe that the financial and emotional benefits of having children are significantly higher than they really are.

Monday, March 07, 2011

Maratona de Filmes

Aproveitei o sábado e o domingo para fazer uma coisa que sentia muita saudade: assistir filmes. Eu estava um pouco atrasada nos lançamentos, até nos blockbusters, que dificilmente perco. Eu também me comprometi em assistir alguns mais velhos e acabei baixando da internet. Ficaram estocados no meu HD, ocupando espaço e nunca que tinha tempo pra ver e deletar.
 
O jeito foi esperar o fim de semana. Já que eu não emendei o feriado, tive que otimizar o tempo pra ver quantos filmes fossem possivel. Consegui ver apenas quatro, mas já tinha assistido alguns para o Oscar e esqueci de comentar. Para não encher muito, vou resumir os filmes em alguns comentários simples que ficaram na minha cabeça logo depois de ter assistido.
 
Primeiro foi True Grit: Eu me divirto com Jeff Bridges, mas confesso que tô cheia de ver Josh Brolin nos filmes dos Cohen. Até parece que só existe ele!
 
The Social Network: Adorei do começo ao fim, apesar de me incomodar muito ver aqueles "adultos" com cara de adolescentes, se comportando como se já soubessem tudo sobre o mercado finaceiro. Não estou dizendo que não é verossímil, mas nossa, qual era o passatempo deles quando criança?
 
127 Hours: Mais do que o roteiro, a trilha sonora me fez pirar. E a cinematografia, aqueles tons marrons com azul, sinceramente me inspirou a desenvolver meu projeto de arquitetura da faculdade desse semestre.
 
The Kids Are All Right: Eu odeio Mark Ruffalo. Passei o filme todo querendo dar ecstasy pra ele, pra ver se muda a mesma atuação de sempre.
 
Inception: Direção de arte maravilhosa e meu Leo diCaprio pronto para um abraço.
 
Black Swan: Um pouco mais perturbador do que esperava. Natalie Portman magérrima fazendo nós gordinhas morrer de inveja.
 
The Town: Bem melhor do que eu esperava por ser um filme com o Ben Affleck. Preciso me policiar quando meu preconceito com a atuação dele aparecer. Pode ser um péssimo ator, mas escreve bem.
 
Alice in Wonderland: Tinha assistido há meses e ainda acho que aquela menina atua tanto quanto um pote de margarina em comercial de café da manhã. Eu adoro Johnny Depp, mas até ele me entristeceu.
 
The King's Speech: É impressão minha ou o cinema britanico tá massacrando o americano? Consegui entrar por completo no filme, esqueci que tava vendo numa tela, meu único arrependimento foi não ter tido paciência pra esperar estrear no cinema.
 
Tangled: Adoro as infinitas gags repetidas da Disney, adoro o charme do 3D, adoro heroína poderosa e herói atrapalhado. Voltei a ter 6 anos de idade.
 
Ironman 2: Robert Downey Jr. me diverte, por mais que ele faça sempre o mesmo personagem.
 
Salt: Assisti só pra ver Angelina Jolie batendo na homarada e pra me inspirar a fazer uma dieta.
 
Agora, os que eu assisti esse domingo:
 
The Fighter: Onde já vi esse filme antes? Ah sim, em todos os filmes de boxe. E Amy Adams é a eterna Encantada.
 
Winter's Bone: Falar o inglês do interior dos Estados Unidos é absurdamente complicado. Me senti pesada como fiquei quando assisti O Retorno. A cena das mãos e da serra elétrica!
 
The Runaways: Dakota Fanning sempre terá 7 anos pra mim e me diverti com as músicas, porque não vejo nada impressionante em meninas se passando por drogadas e bêbadas, essa é a atuação mais balela que tem. Joan Jett rocks e ponto.
 
The Tourist: Previsível do começo ao fim... mas tem Johnny Depp!
 
E o velhinho que prometi que ia assistir: Silkwood: Meryl Streep sempre foi fantástica, Cher não pode negar que fez plástica no nariz e Kurt Russel was so freak'in hot!
 
Na verdade resolvi assistir Silkwood porque vi uma entrevista da Cher falando sobre o relacionamento dela com a Christina Aguilera em Burlesque. Aliás, eu comentei que adoro purpurina?