Tuesday, May 31, 2011

Projet de Français

En Brésil, pendant les fériés de hiver, Thais, Debora et moi sommes quitte le froid and nous avons décide de partir pour connaître la France. Parce que nous sommes trois femme indépendant il a été possible de sortir de travail par une semaine, mais non plus; si nous sommes en vacance longtemps le bureau serais chaotic en nous retournant.

Mais le temps limité que nous avons eu pour faire le tour a été le problème. Nous sommes d'accord de resté deux jour a Paris, mais après, chacun voudrait connaitre une ville diffèrent. Nous n'avons pas du temps pour voir tous les villes. La decisition a été simple: après deux jours en Paris, nous sommes parti. Chacun a chaque place.

Comment est possible faire une voyage avec ses amis se tous sons sépare? Simple, nous avons écrit une lettre pour décrire le ville pendent nous sommes parti pour un altre. En fin de voyage, nous pouvons nos réunir dans le airport et retourner au Brésil ensemble.

Voici les lettres que nous avons écrit:

 

"Juillet, 02, 2010.

Ça va, Debora! J'ai arrivé a Lyon hier soir. Le voyage du train si est allongé a cause d'une tempête. J'étais ennuié de mourir en le train, et avec les temps a passer, j'étais perdu en les mémoires de nôtres jours a Paris.

Il était un rêve, n'est pas? La cathédrale Notre-Dame es la préférée pour moi. J'aime bien voir une vrai cathédrale gothique. Les stories des fantômes et des gargouilles vivante. La rosace est aussi une œuvre d'art.

Le déjeuner en picnic sur l'arc du Triomphe a été un beau moment! Et des garçon française que te regardes son aussi beau. Vous a été changé des numéro de telephone, n'est pas? Tu a déjà l'appelles? Parce que si tu n'avait pas tu perdre du temps.

La tour Eiffel est jolie, mais je pensé que elle a été plus haute en les photos. J'ai compris que la beauté e le magic entour de la tour n'est pas la structure, mais la vue que nos regardons quand nos sommes en le dernier bâtiment. Paris es vraiment le ville merveilleuse.

J'ai bien aimé les bateau-mouche e tous que j'ai acheté dans le Champs Élysées.

Mais, tu sais que préfère des tour historiques et ce pour ça que j'ai décide de commencé voir Lyon le moment que le train a fermé dans la gare. J'ai sorti de les train et j'ai immédiatement compris que ça es vraiment industrielle jusque aujourd'hui. Quelle que m'intéresse est les patrimoine architectural l'Unesco. Le vieux Lyon est une classe de les temps médiéval et renaissance.

Je suis enchantée par Opéra de Antoine-Marie Chenavard, Jean-Marie Pollet et Jean Nouvel. La structure de verre a complète une art de siècle dernier! Si tu pouvais voir...

La Maison des avocats me a faire recordé des structure médiéval de Espagne. La fontaine Bartholdi me a assombri. Les cheval son très réaliste, j'avais la impression que ils vont commencer a respirer. L'artiste que a fait cette fointain a été un mestre de la sculpture.

Quand j'étais en Italie, j'ai pensé que le théâtre romain de pompée a e´té le plus grand, mas je suis trompée. Le Théâtre Romain de Lyon estimmense! La construction est presque intacte. C'est possibile fair un test de sonorization au centre. Ils fonctionne alors!

Le deuxième jour je dois choisir: Je sais que quand je commence a explorer un musée je reste la tout le jour. Mais je ne pouvais passer de voir le musée d'art contemporain! Je ne me repent pas. Je tout adorée! Et après le déjeuner j'ai eu du temps pour voir Le Palais Saint Pierre rapidement et aussi L'incertitude Lumiére. Je doit faire vite parce que le train pour Dijon parte le soir, mais je suis satisfaite.

Je sais que quand tu a me demander pourquoi je veux connaitre Dijon je répondu 'parce que j'aime la moutarde.' mais, je confesse, il n'est pas tout.

Après le film de Julia Roberts, Mange, prie, aime, j'étais anxieux pour faire un tour gastronomique. J'ai perdu le foire internationale et gastronomique, mais je peut voir le Biennale internationale des arts culinaires. J'ai expérimente beaucoup du vin et je confesse que après le quinzième je ne peut pas dire la différence entre ils. J'ai mangé des les escargot! J'ai été la pour connaître la cuisine française, alors, pourquoi non? Mais... je ne sais pas... je pense que les escargot sons la cause de une dysenterie que 'j'avais après...

J'ai acheté du crème de cassis et du fromage pour toi e pour Thais. Je n'ai pas vu, mais le temps a passé vite. Ce soir je prend le train pour nos rencontre dans airport. J'espere que ce lettre arrive avant de moi!

Et comment a été les ville que tu a choissi?"

 

Vivian

 

"Juillet, 10, 2010.

Més chéres amis, comment ça va?

          J´écris pour vous pour montrer que je suis très heurese de connaitrê les beaux châteaux de le Vallée de la Loire.

Je vais vous raconter um petit peu des histoires de deux merveilleux chateaux: le Chenonceau et le Chambord

Le Chenonceau à été construit sur le river Cher et était habitée seulement pour femmes Le château est connu comme Le Chateau des Dames.

          Catherine de Médicis habitaient un de cette chambres. Elle avait son jardin la-bás.

Chaque femme que habitaient cette chateau avait um jardin propes.

Aprés la visite a tout , j´ai bu du thé dans le restaurant L´Orangerie, c´est était très bon.Le lieu est jolie e calm.

Après-midi, je suis retourné a l´hôtel pour reposer parce que le lendemain je me suis réveillée tôt. J´ai prenaient um délicieux petit déjeuner a l´hôtel.

 

          Aprés j´ai parti avec le groupe de touriste qui m´accompagné tout les jours. Cet groupe est mixte: il y a d´anglais,d´italiennes, d´allemandes e etc.

           Nous arrivons dans le château de Chambord qui est le plus grand et le plus belle.

Un partir de le projet du château a été préparé pour Leonardo Da Vinci.

Un point très intéressant c´est que il ya a deux escaliers entrelacées où aucun moment les personnes s´entrer em colision. Cet escalier été soi-disant conçus pour Leonardo Da Vinci.

             ll ya un voiture qui porte le nom du châteaux, c´est très admirable.

 

             Aprés de visite les châteaux, je connu la ville de Orlénans òu Joana D´Arc gagné la ville, dans la Guerre de 100 ans.

             Il ya a muséé d´elle que compte tout la histoire de la Guerre, mais je n´a pas aimé beacoup le musée parce que c´est petite, ne semble pas beaucoup d´importance.

 

Em fin, je suis anxieuse de vous voir de noveau.

 

À bientôt."

Thais

Monday, May 30, 2011

Resoluções - Quase 6 meses depois.

 

Acabei pulando o mês de maio, gostaria que ele tivesse pulado na vida real também. Que tivesse piscado no último dia de abril e tivesse me transportado pra o próximo feriado prolongado.

 

Metas Profissionais:

- 3ds Max- Ok, mas ainda quero treinar mais.

- Curso de Maquete Eletrônica - Suspenso até segundo semestre.

- Pesquisa: O material está selecionado, preciso redigir os caspítulos 4 e 5.

- Nova Pesquisa: aceita pela comissão.

- Francês: Gostaria de fazer o curso de férias, mas não vou ter grana.

- Emprego: não vou desistir. Tá difícil, mas não vou desistir!

 

Hobby e Saúde

- Mandei para registrar minha monografia e meu livro, falta receber um protocolo. 

- Nada de academia pra mim.

- Diminuir bumbum: acho que a nutricionista está acertando.

- Ainda não terminei meu check up com a ginecologista.

- Mias um livro para a faculdade 2/10

- Li Le Petit Prince 2/2

- Nenhum livro em italiano. 0/3

- Machu Picchu ainda em vista, mas acho que não vou ter grana pra ir esse ano.

- Ainda não me levei pra beber.

 

Social

- OMG fui tomar chá da tarde com a Ké no Véu de Seda. Comi MUITO.

- Estou boazinha com todos.

- Museus: Pinacoteca, Museu da Lingua Portuguesa, Museu de Arte Brasileira (exposição do Modernismo e da Gracy Kelly), CCBB (exposição do Escher).

- Nada de templo e ainda estou tentando visitar mais parques.

- Quando meu aniversário se aproxima eu tenho vontade de ficar perto das pessoas, mas acho que continuo refugiada no meu casulo.

Friday, May 27, 2011

Le Blues du Narcissique

Eu estava fazendo um poema para um concurso do Francês quando tropecei no concorrente. Ficou muito legal e ainda me identifiquei.
 
Segue abaixo, mas não achei o nome do autor.
 

Le blues du narcissique

Depuis tout p'tit j'me touve si beau
que je me mire même dans les flaques d'eau.

J'aimerais être accueillant mais je suis fermé
comme une porte dont j'aurais perdu la clé,
j'ai constamment un air très renfrogné
et de vraies manières d'ours mal léché.

J'aimerais être complice mais la compagnie
des autres est le vrai supplice de ma vie ;
je n'ai pas d'ami, je n'en ai pas envie ;
les amis cela fait bien trop de bruit .

J'suis narcissique, j'me crois unique
depuis tout p'tit je n'admire que mon ego

J'aimerais comme j'ai vu à la télé
faire partie d'une cordée pour escalader
mais je la ferais sans doute dévisser
à force de toujours me recoiffer.

J'aimerais aussi chanter en chœur
mais le solo est mon seul vrai bonheur ;
la voix des autres me fait vraiment horreur
et me donne toujours très mal au cœur.

J'suis narcissique,j'me crois unique
depuis tout p'tit les autres sont de trop

J'aimerais bien avoir de bons copains
mais je devrais alors leur tendre la main
pour faire avec eux un bout de chemin
tout en roulant et riant sur nos patins.

J'aimerais participer à des repas de gala
à des agapes de fraises au chocolat
mais je ne sais que tout garder pour moi
et manger mes œufs tout seul à même le plat.

J'suis narcissique,j'me crois unique
depuis tout p'tit je suis mon seul héros

J'aimerais être branché et réseauter
mais je n'ai rien d'autre à partager
que des idées limitées à ma personnalité,
des pensées toujours vers moi tournées.

J'aimerais avec des bobines de fil doré
me recouvrir le corps tout en m' sachant aimé ;
pouvoir extérioriser très harmonieusement
de beaux sentiments mais j'suis trop méchant .

Depuis tout p'tit j'me trouve si beau
que je mire même dans les flaques d'eau

classe de 5 ème - 00000 Cotonou

 
--

Thursday, May 26, 2011

Arco Iris Duplo

Vi esses dias e tirei fotos com o celular. Deixou meu dia mais feliz.

Marcas do Expressionismo

Foi uma grande coincidência quando cheguei à FAAP para ver a exposição da Grace Kelly e vi ao lado oposto a exposição Marcas do Expressionismo. Coincidência porque naquela mesma semana meu professor de Historia da Arte e Arquitetura estava falando justamente sobre o tema e tivemos uma aula quase que inteira sobre Flávio de Carvalho.

A exposição tem vários desenhos e pinturas dele. A exposição foi inteira montada com as obras do próprio acervo da FAAP, exibindo para todos que existem muitas obras que não vimos pelos corredores da faculdade, muito menos no museu.

A exposição reúne representantes das artes visuais nacionais do século XX. São poucas, mas temos obras de Anita Malfatti, várias de Flávio de Carvalho e Oswaldo Goeldi. Vale a pena lembrar que todos eles foram representantes do modernismo no Brasil e são os que mais dá vontade de ver por horas. A paleta de cores que Anita e Flávio usavam parece saltar aos olhos no meio de tantas gravuras em preto e branco. Também tem obras de Marina Caran e Heinz Kühns; pinturas de Juarez Magno, Pierre Chalita, Émile Tuchband e Otoni Gali Rosa, produzidas nas últimas décadas do século XX, e obras de artistas mais contemporâneos como Herman Tacasey e Marco Paulo Rolla.
Quem se interessar, corre, porque é só até o dia 29/5.



Monday, May 16, 2011

Grace Kelly

Sábado fui à exposição da Grace Kelly na FAAP. Descobri uma coisa absurda: a mina nasceu rica e bonita, depois se transformou em atriz, ganhou um Oscar e virou princesa? Pô, ela quis realizar todos os sonhos de todas as mulheres de uma vez!

Bom, mas começando uma descrição básica: a exposição é para engrandecer quem já é grande. Começa com a infância, com várias fotos e relíquias da família (ela já tinha uma casa básica com piscina), depois ela trabalhou como modelo e foi pra Hollywood. Aí está a parte que mais gostei, claro. Uma instalação muito legal com uma réplica da casa de Janela Indiscreta, com a cadeira de rodas de James Stewart, câmeras antigas e uma série de cartas trocadas entre Hitchcock e a Grace.

Saindo da casinha, uma série de pôsteres dos filmes que ela fez. Cenas dos filmes em looping na parede. Alguns vestidos usados em algumas cenas. Depois, entramos por uma porta com uma placa de Hollywood e o tapete vermelho dando as boas vindas. Mais uma série de objetos e fotos, cartas de Hitchcock, postais de Clark Gable e... o Oscar. Com o discurso em lopping em outra parede. Nunca vou chegar tão perto de um Oscar novamente. Estava dentro de um vidro, mas deu pra ficar há uns 30cm de distância. Como é lindo é brilhante.

Depois segue-se para outra sala com fotos de Mônaco e da família real. É interessante que eles se deram ao trabalho de trazer quadros de lá para entendermos um pouco a linhagem da família. Depois, vemos a filmagem do encontro de Grace com o príncipe, e a partir daí esquecemos que ela foi atriz. Vestidos do encontro, da viagem dos EUA à Europa, do casamento civil. Como se fosse dentro de uma das lojas mais incríveis de Paris, o vestido de noiva ilumina toda a sala e é onde reúne a maior parte dos curiosos. Muitos espelhos para não perdermos nem uma prega. É o vestido mais bonito da coleção.

Da próxima sala, pequena, vemos apenas uma série de amigos da família, convidados do casamento e alguns convites e enfeitinhos. A próxima sala é linda: uma verdadeira passarela de vestidos que ela usou em seus inúmeros eventos e bailes. Uma coleção gigantesca de Christian Dior, Yves Saint Laurent, Jean Paul Gaultier e... o vestido da coroação. Eu poderia jurar que na foto era mais bonito.

Passamos para a vida de casada, os filhos, a coleção de bolsas (wow!) mais vestidos, inclusive uma das peças da coleção Mondrian de Yves Saint Laurent de 1965. Fiquei decepcionada quando vi de perto. Imaginei que o tecido era diferente e não aquela linha grosseira. Me encantei com um casaco. As jóias, coroas, diamantes... bem, nem vou mencionar. Eu saí de lá vendo estrelas e cifrões.

Com os filhos, temos mais roupas, peças de bebê, fotos, roupinhas que combinam. O top da frescura que traumatizaria qualquer criança hoje em dia.

Uma recriação de uma sala de jantar e inúmeras capas de revistas. Não vemos a velhice de Grace. Ela morre em 1982 em um  acidente de carro (supostamente causado por sua filha Stephanie), não chega a completar 60 anos e mesmo ao auge dos 50 ela era linda e glamorosa. Em sua boda de prata em 1981 ela estava tão elegante que parece que dormia em formol.

Fiquei duas horas lá dentro e o tempo voou. Nem percebi. Talvez não seja o ideal para alguém que esteja buscando mais informações ou um estudo cinematográfico mais profundo. É uma exposição que resume o glamour da vida da moça. Seu objetivo é simplesmente fazer pessoas normais entrarem lá e odiarem a vida que levam.
As fotos são da exposição e estão na exposição :D
 

Trust Issues

And so it starts. During my last therapy section I finally had to come face to face with my emotional and affection issues. I know it's a big deal because it's mostly a taboo to me, I don't even think about it.

When my therapist mentioned the subject I brain went blank. I didn't know how to explain why I never considered being emotionally attached to anybody (or someone who's not my parents.)

The fact that I'm writing it in another language shows how vulnerable I am to the subject. I don't want a couple of people to know about my struggle.

How do I feel about it? I don't know. It's like a vortex of information, scenes of a happy family and screams and the feeling of helplessness. There is something that comes to my mind: my freedom. That's something I would never jeopardize, not for my parents, not for a friend nor anybody.

It's a fact that I don't like to make mistakes. I don't like to fail and since I don't believe in love I don't see any relationship going anywhere but downhill with that principle, so why start anyway? But, like my therapist said, do I find it easier to justify being alone than trying to be with someone? Just to know how it's like?

Yes, justifying is easier, but I'll never know what lies beneath the surface if I don't even try it. Hell, I even tried drugs so I could criticize it from experience. Why is it so difficult to try having an actual relationship?

And my answer pops up like a coke commercial on hulu: I don't know how to trust someone with my vulnerable side. I'm a rock at all times. I don't put down my guard. I don't want to get emotionally attached to someone just to find this person becoming someone I don't want to be with. That would mean I failed my choice. Do you remember the beginning of this text? I don't like to fail.

Maybe that's what I'm afraid of most of all: to find someone, to trust this person, to give my time and effort into a relationship that could miserably fail and worse: to find that it's all my fault and having to way to justify it.

To be Continued…

Sunday, May 08, 2011

Coisas que o Trabalho tá me Ensinando

Não sei se todos sabem as circunstancias que me levaram a trabalhar na empresa em que estou há 10 meses. Sinceramente, não importa muito. Eu precisava de um estágio para não acabar a faculdade de arquitetura completamente sem vivencia prática como aconteceu com cinema.

Depois de algumas semanas procurando fui parar onde estou agora. Gostei muito no começo, na verdade é um trabalho bem tranquilo, mas já começou rompendo minhas expectativas. Candidatei-me a uma vaga de estágio, mas como já sou formada, inventaram um cargo para me pegarem em tempo integral. Problema: tempo pra fazer meus trabalhos da faculdade. Basicamente 3 horas a mais na empresa (2 horas de trabalho + 1 hora de almoço) e salário? 100,00 a mais, apenas.

Estava desesperada e não poderia recusar. No começo era tranquilo, mas... as pessoas aos poucos descobriram que: sei fazer apresentações sensacionais em PowerPoint, tenho uma ótima didática, tenho discurso coerente, aprendo rápido, entendo de leis e falo 3 línguas. Isso me trouxe mais trabalho do que me candidatei e... só pra ilustrar: considero tudo o que me pedem, que não inclui o meu know-how da faculdade de arquitetura, como favores. Não fui contratada para fazer instalações de vídeo e som para eventos internos. E não me pagam o piso de comunicação social, até onde estou sabendo.

Mas não vou reclamar completamente de tudo porque entrei lá sabendo: autoCAD, pacote office, ilustrações. Aprendi a: acompanhar obras, fazer medições, controle de fluxos de pagamentos, planilhas, elétrica (instalações, geradores, cabines primárias), hidráulica, planta de bombeiro, normas específicas como a RDC-50 (que decorei), elaborei uma carteira de fornecedores, entrei em contato com pessoas da área que me ensinaram muito sobre vivência em obra, como lidar com clientes chatos.
Mas confesso que aprendi algumas coisas do mercado de trabalho que são realmente chatas: se você faz mais do que te pediram, vão encarar como se fosse a sua obrigação. Você nunca mais ouvir um ‘obrigado’ (na verdade eu escuto, tenho dois chefes muito legais e educados, mas eles estão subordinados a pessoas que não ligam para as ralés), você será obrigado a fazer hora-extra para manter a boa imagem mesmo tendo outros compromissos. Esse ano perdi uma prova, 4 consultas, 2 exames e um day spa (tive que pagar uma das consultas, tive que pagar para fazer outra prova e perdi o pacote do day spa que tinha ganhado). Descobri que é necessário desenvolver uma personalidade radiante no ambiente de trabalho que levo em paralelo com a minha personalidade normal: sarcástica, com muito humor negro, cheia de referencias pop. O médico do trabalho te trata como lixo. Acham que você está sempre querendo uma desculpa para ficar em casa. Não acreditam nos seus exames e ainda te olham com ar de superior por mais que você esteja preocupado com uma dor aguda ou uma visão embaçada.

Aliás, médicos acabam sendo uma das minhas maiores reclamações. Ter médicos como colegas de trabalho é complicado. Muitos são educados, uns amores mesmo. Mas tem outros que não te respeitam; que fazem você demolir tudo o que já construiu e quando fica pronto dizem que odiou tudo, do piso ao forro.

O maior problema é me sentir desrespeitada. Ando pela rua e escuto comentários de caminhoneiros que passam na região e me sinto um verdadeiro lixo, um objeto que não merece um olhar mais de perto. Sinto-me desrespeitada por não me agradecerem, por acharem que o que fiz foi ‘fácil’, quando cobram favores e tratam como se fosse minha obrigação fazer. Sinto-me desrespeitada quando faço muito, ganho pouco, perco horas de estudo, perco check-ups e me tratam como preguiçosa.

Sinceramente, sou preguiçosa sim, mas estou descobrindo porque muitos brasileiros são preguiçosos. Sem reconhecimento, sem estímulo, fica difícil querer sair cedo da cama. Você trabalha, perde horas de sono, faz hora extra e se esforça pra sobrar um dinheirinho no fim do mês... aí a faculdade corta sua bolsa auxilio de 20%... aí tem o preço do álcool que sobe... aí tem o mercado toda semana... o que sobra de todo o seu esforço?

Rabiscos

Andei fazendo uns rabiscos no meu caderno desde que começaram as ulas em janeiro. Não que tenha muita coisa, mas... ah e o bolo é parte de uma instalação sobre o Mondrian que fiz numa aula de História da Arte de Arquitetura. Ficou feiozinho, mas tava gostoso ^^







Wednesday, May 04, 2011

Thor

Sábado fui ao cinema assistir Thor.

 

Eu ando mentalmente cansada, acordar de manhã é difícil, mas dormir antes das 22h também é complicado, principalmente quando posso faltar na faculdade. Uso esse tempo para ler um livro, para assistir alguma série. Qualquer coisa. Eu quero aproveitar ao máximo o tempo que tenho para não fazer nada de importante, um tempo para ficar comigo, sozinha.

 

Acordar de sábado de manhã para ir pra faculdade e depois para o curso está sendo uma verdadeira tortura. Depois do curso eu resolvi que ia ao cinema, de qualquer jeito.

 

Eu to acompanhando a saga da Marvel há um bom tempo, e não vejo a hora de saber como vai ficar a primeira parte de Os Vingadores, mas até lá, estou vendo todos os filmes de cada herói. Uma coisa eles tem em comum: não são filmes muito profundos, não é pra pensar. É pra sentar, assistir e esquecer da vida. Um momento que ilustra bem o que quero dizer é quando eles cruzam a ponte do arco-íris pela primeira vez. Imediatamente alertas vermelhos dispararam na minha cabeça "como eles vencem um vão tão grande? Cadê os pilares de sustentação dessa ponte?" e em seguida, uma voz sarcástica que vive aparecendo nos momento mais inoportunos deu uma risadinha "Jura que você está procurando entender o modelo estrutural de uma ponte mágica?" Mandei o raciocínio pro inferno a partir daí.

 

Fiz um bom negócio porque naquela cena em que ele aparece sem camisa eu entrei em curto circuito mesmo. Eu ataquei meus nachos com chedder. Compensei todo o prazer visual com comida com muita gordura e sódio. Tudo bem que hoje já é terceiro dia almoçando ovo pra compensar a gulodice, mas eu tive que consumir alguma coisa naquele momento.

 

Não me pergunte se o filme é parecido com o quadrinho, se os efeitos eram bons, se o roteiro se fechou. Foram dez segundos... e ganhei meu sábado.