Wednesday, June 22, 2011

City Lights (1931)






No segundo colegial o professor Mauro, de filosofia levou Tempos Modernos do Charles Chaplin para assistirmos na escola. Eu lembro que fui a única que não dormiu e que se divertiu o filme inteiro. Acho que foi um sinal que eu estava no ramo certo, indo para o cinema, quero dizer.

Há quase 10 anos depois, resolvi assistir um dos poucos filmes do Chaplin que não tinha visto inteiro. Apesar das aulas de História do Cinema na FAAP, lembro que não tínhamos tempo de ver todos os filmes por inteiro. Acabei vendo só um pedaço e deixei pra ver o resto depois... e depois e depois...

Finalmente assisti. Pergunto-me quantas pessoas ainda conseguem ver um filme mudo e se divertir. A simplicidade do roteiro e dos movimentos de câmera me encanta, enquanto pessoas correm ao cinema ver Transformers 3 (ou 4?) eu ainda me divirto com o figurino desajeitado e as gags de Chaplin.

É só quando você realmente assiste a esses filmes que percebe o quanto à televisão foi influenciada por ele. É mais fácil perguntar qual mídia não foi influenciada. Chaves, Chapolin, os Trapalhões...

O plot da cega é inacreditável. O vagabundo é tão tocado pela moça que não consegue enxergar as próprias flores que vende  que arruma emprego para ajuda-la. Chega até a ser preso. Acho lindíssimo o final, quando ela o reconhece apenas ao tocar as mãos. O fade-out acontece no momento certo.

O final não se estende como a maioria dos filmes que vemos hoje: aquele que parece que filmaram uns 5 (ou 50 minutos) depois que a história acabou. Aliás, que final seria tão emblemático quanto a cega dizendo "Posso ver agora."

2 comments:

Louco said...

Chaplin ainda é o melhor ^^

É só que as pessoas hoje em dia, na maioria, acho, não entendem humor que não seja estupidamente obvio, ou de duplo sentido. Nada contra, ao contrário, pra mim comédia é sempre bem vinda. Mas humor de duplo sentido perde um pouco da graça quando vira o 'único tipo'.

Nah, o tipo sutil e inteligente do Chaplin ainda é o melhor. E como toda a coisa boa, é pra sempre. Então deixa a galera curtir o humor óbvio; ele passa com o tempo. E quando não lembrarem mais o que é filme de humor divertido, Chaplin ainda vai estar lá, pra ser revisto. Como toda boa história ^^

(E sim, bons livros 'também' merecem revisão, irmãzinha preguiçosa. 'Vale a pena ler de novo' ^^)

Bjon do otouto (saindo da folga)

Vivi said...

Saindo de folga? Não vai ter aula no feriado? Olha só... eu vou ter aula de francês... e trabalhei hoje (sexta-feira). Acho que folgas não existem mais para mim, não é?